Celso Borges & seus poemas


Homenageado Celso Borges

 

Celso Borges:

mais um grande artista que será homenageado pelo Psiu em 2015

 

Poeta, jornalista e letrista maranhense. Parceiro de Chico César e Zeca Baleiro, entre outros compositores, tem nove trabalhos de poesia publicados: Pelo Avesso (1985), Persona Non Grata (1990), Nenhuma da Respostas Anteriores (1996), O futuro tem o Coração Antigo (2013), e a trilogia A Posição da Poesia é Oposição formada pelos livros CDs XXI(2000), Música (2006) e Belle Époque, (2010), com a participação de 50 artistas brasileiro.
Nos últimos 10 anos, Celso Borges tem levado a poesia para o palco com os projetos Poesia Dub, ao lado do pesquisador e jornalista Otávio Rodrigues,A Posição da Poesia é Oposição, com o guitarrista Christian Portela, e A Palavra Voando e Sarau Cerol, com o DJ Beto Ehongue. Com esses projetos o poeta se apresentou no Tim Festival (SP-2004), Baile do Baleiro (SP – 2004), Festival Londrix (Londrina – 2006), Catarse (Sesc Pompéia – 2009) e Projeto Outros Bárbaros (Itaú Cultural, SP – 2005 e 2007).
Celso Borges

Celso Borges

Celso Borges tem poemas publicados nas revistas de arte e cultura Coyote, Poesia Sempre e Oroboro e já ministrou oficinas de poesia em São Luís, Fortaleza, Imperatriz e Palmas. Apresentou na rádio UOL, entre 2010 e 2011, o programa Biotônico, ao lado de Zeca Baleiro e Otávio Rodrigues. Com o compositor maranhense co-produziu o CD A Palavra Acesa de José Chagas (2013).  Em 2013 e 2014 foi curador da Feira do Livro de São Luís (FeliS).

Também estão sendo homenageados pelo 29 Salão Nacional de Poesia nesse ano de 2015, além do Celso Borges, Ana Elisa Ribeiro, Auíri Tiago, Eduardo Lacerda,Ricardo Silvestrin & Patrícia Giseli.

 

 Texto pelo homenageado

 

autorretrato

 

duas arritmias graves

dores cíclicas nas costas

amígdalas arrancadas aos 6 anos

dores de cabeça de estimação desde os 20

gastrite aos 22

hepatite aos 24

fístula entrepernas extraída aos 33

retirada de vesícula aos 40

insuficiência mitral aos 44

vasectomia aos 45

artrose no dedo mindinho aos 47

plástica de válvula mitral aos 48

 

poesia desde os 17

 

***

 

 

frankenstein pelo avesso

 

silicone nos cotovelos

lipoaspiração no calcanhar esquerdo

plástica reparadora na virilha

botox na falange do dedo mindinho

lifting no couro cabeludo

enxerto nos grandes lábios

cílios postiços no púbis

implante de pentelhos nas sobrancelhas

transplante capilar na bunda

revitalização de pele na orelha

rejuvenecimento das canelas

peeling nas entranhas

 

cada coisa em seu devido lugar

cada coisa fora dele

 

***

matadouro

 

a baba do boi é do boi

o berro do boi é do boi

a dor do boi é do boi

a morte do boi é do boi

 

mas o boi não é do boi

o carro de boi não é do boi

a bosta de boi não é do boi

a língua de boi não é do boi

a costela de boi não é do boi

o chifre de boi não é do boi

o couro de boi não é do boi

a carne de boi não é do boi

 

não é do boi o bumba-meu-boi

 

quase nada do boi é do boi

quase tudo do boi é do homem

e o que é do homem o bicho não come

 

***

urbano

a tv ligada dá bom dia
o site cedo me sitia
e o vento vadio ventania
no nu dilatado
da vida vazia

tudo
todo tempo parece em harmonias
o carro, o cão, o mar, o morro, o rato, a rodovia

só a vida, quase morta
viva !
passa secundária
se revelando à revelia

***

mea culpa

falo blasfemo grito
como se tudo já tivesse sido dito
em vão

palavras loucas ouvidos moucos

eu sei
do céu ao chão
do sol ao léu

o réu sou eu

****

Piso o chão e calço o mundo

Piso o chão e calço o mundo
descascando este verbo revolto

Piso e soco o chão inútil
e calçando o mundo completo
rôo o fruto do verbo

agora manso
aro o chão
calço suavemente o nervo do mundo
e planto do fruto sua bandeira:
o caroço